Você está aqui
  1. Exercícios
  2. Exercícios de Gramática
  3. Exercícios sobre denotação

Exercícios sobre denotação

Com estes exercícios a respeito da denotação, você pode avaliar seus conhecimentos sobre as variações de sentidos das palavras e enunciados da língua portuguesa.

Questão 1

(ENEM – 2005. Modificada) O termo (ou expressão) destacado que está empregado em seu sentido próprio, denotativo, ocorre em

a)

“(....)
É de laço e de nó
De gibeira o jiló
Dessa vida, cumprida a sol (....)”.
(Renato Teixeira. Romaria. Kuarup Discos,1992.)

b)

“Protegendo os inocentes
é que Deus, sábio demais,
põe cenários diferentes
nas impressões digitais”.
(Maria N. S. Carvalho. Evangelho da Trova. /s.n.b.)

c)

“O dicionário-padrão da língua e os dicionários unilíngues são os tipos mais comuns de dicionários. Em nossos dias, eles se tornaram um objeto de consumo obrigatório para as nações civilizadas e desenvolvidas.”

d)

e)

“Humorismo é a arte de fazer cócegas no raciocínio dos outros. Há duas espécies de humorismo: o trágico e o cômico. O trágico é o que não consegue fazer rir; o cômico é o que é verdadeiramente trágico para se fazer”. (Leon Eliachar)

ver resposta


Questão 2

Assinale a alternativa em que todas as palavras ou expressões estejam sendo utilizadas de maneira denotativa.

a) O médico diagnosticou a doença crônica do paciente.

b) Aquele lutador é um banana!

c) A noite silenciosa aumentava minha ansiedade.

d) Senti-me uma baleia dentro desse vestido.

e) João é um exímio arroz de festa, não perde nenhum aniversário de família.

ver resposta


Questão 3

A linguagem denotativa é caracterizada pelo uso de palavras ou expressões em seu sentido habitual, comum, dicionarizado. Pensando nisso, marque a alternativa que apresenta essencialmente o sentido denotativo.

a) Minha professora de inglês é um anjo.

b) Joana jantou três vezes e depois passou muito mal do estômago.

c) Cláudia vai dar um tiro no pé com essa decisão.

d) Matilde ficou uma fera com Suzana.

e) Desde o mês passado, Marcos tornou-se um rato de praia.

ver resposta


Questão 4

(IBFC – 2016. Modificada) Leia o texto abaixo para responder à pergunta:

Aquilo por que vivi

Três paixões, simples, mas irresistivelmente fortes, governaram-me a vida: o anseio de amor, a busca do conhecimento e a dolorosa piedade pelo sofrimento da humanidade. Tais paixões, como grandes vendavais, impeliram-me para aqui e acolá, em curso instável, por sobre profundo oceano de angústia, chegando às raias do desespero.

Busquei, primeiro, o amor, porque ele produz êxtase - um êxtase tão grande que, não raro, eu sacrificava todo o resto da minha vida por umas poucas horas dessa alegria. Ambicionava-o, ainda, porque o amor nos liberta da solidão - essa solidão terrível através da qual a nossa trêmula percepção observa, além dos limites do mundo, esse abismo frio e exânime. Busquei-o, finalmente, porque vi na união do amor, numa miniatura mística, algo que prefigurava a visão que os santos e os poetas imaginavam. Eis o que busquei e, embora isso possa parecer demasiado bom para vida humana, foi isso que - afinal - encontrei.

Com paixão igual, busquei o conhecimento. Eu queria compreender o coração dos homens. Gostaria de saber por que cintilam as estrelas. E procurei apreender a força pitagórica pela qual o número permanece acima do fluxo dos acontecimentos. Um pouco disto, mas não muito, eu o consegui.

Amor e conhecimento, até o ponto em que são possíveis, conduzem para o alto, rumo ao céu. Mas a piedade sempre me trazia de volta à terra. Ecos de gritos de dor ecoavam em meu coração. Crianças famintas, vítimas torturadas por opressores, velhos desvalidos a constituir um fardo para seus filhos, e todo o mundo de solidão, pobreza e sofrimentos, convertem numa irrisão o que deveria de ser a vida humana. Anseio por aliviar o mal, mas não posso, e também sofro.

Eis o que tem sido a minha vida. Tenho-a considerado digna de ser vivida e, de bom grado, tornaria a vivê-la, se me fosse dada tal oportunidade.

(Bertrand Russel. Autobiografia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.)

O texto é marcado por subjetividade e as figuras de estilo reforçam esse teor subjetivo. Assinale a passagem transcrita abaixo que NÃO revela um exemplo de linguagem figurada.

a) “Três paixões, simples, mas irresistivelmente fortes, governaram-me a vida:” (1°§)

b) “Tais paixões, como grandes vendavais, impeliram-me para aqui e acolá” (1°§)

c) “além dos limites do mundo, esse abismo frio e exânime.” (2°§)

d) “Gostaria de saber por que cintilam as estrelas.” (3°§)

e) Todas as alternativas estão incorretas.

ver resposta



Respostas

Resposta Questão 1

Letra C: Na alternativa C, a linguagem denotativa é empregada para informar a respeito do que é um dicionário-padrão.

voltar a questão


Resposta Questão 2

Letra A: Na alternativa A, todas as palavras estão sendo empregadas em seu sentido literal, dicionarizado: o médico/diagnóstico/doença/paciente. As demais alternativas são construídas a partir da conotação, do sentido figurado: lutador/banana; noite/silenciosa; senti-me/baleia; joão/arros de festa.

voltar a questão


Resposta Questão 3

Letra B: Todas as palavras inseridas no período são empregadas em seu sentido literal, dicionarizado, ou seja, denotativo.

voltar a questão


Resposta Questão 4

Letra D: Na alternativa D, não podemos dizer que há emprego de sentido figurado, já que as estrelas, de fato, cintilam, ou seja, brilham.

voltar a questão


Artigo relacionado
Leia o artigo relacionado a este exercício e esclareça suas dúvidas