Você está aqui Exercícios Exercícios de História do Brasil Exercícios sobre Dom Pedro II

Exercícios sobre Dom Pedro II

Por meio destes exercícios sobre Dom Pedro II, você poderá averiguar os seus conhecimentos sobre as características do segundo e último monarca que o Brasil teve.

  • Questão 1

    Além de pertencer, por herança, à casa de Bragança, família aristocrática portuguesa da linhagem de João VI, Dom Pedro II também tinha o sangue aristocrático da:

    a) Casa de Hanover

    b) Casa de Habsburgo

    c) Casa de Médice

    d) Casa de Hohestaufen

    e) Casa de Richtohfen

    ver resposta



  • Questão 2

    (UFMT) Durante o Segundo Reinado, com a consolidação de um projeto político nacional, após os conturbados anos da década de 30 do século XIX, o Brasil ampliou sua projeção externa e esteve envolvido em várias questões importantes no plano internacional, principalmente na região da Bacia do Prata. Sobre a política externa do Segundo Reinado para essa região, é correto afirmar:

    a) Foi negociado o fim da Guerra da Cisplatina.

    b) O Brasil subjugou a Argentina na guerra contra o Aguirre.

    c) Foi celebrada uma aliança com o Paraguai para conter a expansão uruguaia.

    d) O Brasil promoveu paz na região.

    e) Foi criada a Tríplice Aliança contra o Paraguai.

    ver resposta


  • Questão 3

    Dom Pedro II, após a abdicação de seu pai, em 1831, passou a ser Príncipe Regente do Brasil. Essa fase durou até o ano de 1840, quando foi formalizada a sua situação como imperador, quando ele tinha apenas 14 anos de idade. Essa formalização ficou conhecida como:

    a) Regência Una.

    b) Regência Trina

    c) Soberania Clandestina

    d) Nepotismo

    e) Golpe da Maioridade

    ver resposta


  • Questão 4

    (UFPA) "A enorme visibilidade do poder era sem dúvida em parte devida à própria monarquia com suas pompas, seus rituais, com o carisma da figura real. Mas era também fruto da centralização política do Estado. Havia quase unanimidade de opinião sobre o poder do Estado como sendo excessivo e opressor ou, pelo menos, inibidor da iniciativa pessoal, da liberdade individual. Mas (...) este poder era em boa parte ilusório. A burocracia do Estado era macrocefálica: tinha cabeça grande mas braços muito curtos. Agigantava-se na corte mas não alcançava as municipalidades e mal atingia as províncias. (...) Daí a observação de que, apesar de suas limitações no que se referia à formulação e implementação de políticas, o governo passava a imagem do todo-poderoso, era visto como o responsável por todo o bem e todo o mal do Império." Carvalho, J. Murilo de. TEATRO DE SOMBRAS. Rio de Janeiro, IUPERJ/ Vértice, 1988. O fragmento acima se refere ao II Império brasileiro, controlado por D. Pedro II e ocorrido entre 1840 e 1889. Do ponto de vista político, o II Império pode ser representado como:

    a) palco de enfrentamento entre liberais e conservadores que, partindo de princípios políticos e ideológicos opostos, questionaram, com igual violência, essa aparente centralização indicada na citação acima e se uniram no Golpe da Maioridade.

    b) jogo de aparências, em que a atuação política do Imperador conheceu as mudanças e os momentos de indefinição acima referidos - refletindo as próprias oscilações e incertezas dos setores sociais hegemônicos -, como bem exemplificado na questão da Abolição.

    c) cenário de várias revoltas de caráter regionalista - entre elas a Farroupilha e a Cabanagem - devido à incapacidade do governo imperial de controlar, conforme mencionado na citação, as províncias e regiões mais distantes da capital.

    d) universo de plena difusão das ideias liberais, o que implicou uma aceitação por parte do Imperador da diminuição de seus poderes, conformando a situação apontada na citação e oferecendo condições para a proclamação da República.

    e) teatro para a plena manifestação do poder moderador que, desde a Constituição de 1824, permitia amplas possibilidades de intervenção políticas para o Imperador - daí a ideia de centralização da citação - e que foi usado, no Segundo Reinado, para encerrar os conflitos entre liberais e socialistas.

    ver resposta


  • Questão 5

    (UFSM) Durante a segunda metade do século XIX, o Brasil experimentou um progresso jamais visto, quando houve a expansão da economia brasileira, apoiada pelo imperador D. Pedro II. Podem-se citar como razões desse progresso:

    I. a expansão da lavoura cafeeira e a implantação do sistema ferroviário.

    II. a introdução do trabalho livre do imigrante e o crescimento urbano.

    III. a solidificação do tráfico negreiro e os maciços investimentos do capital alemão.

    IV. a implantação da Lei de Terras e a dinamização das atividades industriais.

    Está(ão) correta(s):

    a) apenas II.

    b) apenas III.

    c) apenas I e III.

    d) apenas I, II e IV.

    e) I, II, III e IV.

    ver resposta


  • Questão 6

    Como era apenas uma criança de cinco anos no ano em que seu pai abdicou do trono em seu favor (1831), Dom Pedro II passou cerca de nove anos sendo preparado para cumprir as suas obrigações de monarca. Esse período ficou conhecido como “Regencial”. O fim do Período Regencial ocorreu com:

    a) a morte de Deodoro da Fonseca

    b) a morte de Leopoldina

    c) o Golpe da Maioridade

    d) a Revolta de Juazeiro

    e) o Golpe Republicano

    ver resposta


  • Questão 7

    (UFV) O trecho a seguir foi reproduzido pela revista "Veja" em sua edição de 30.08.2000, numa reportagem sobre a edição no Brasil de parte da obra do escritor português Eça de Queiroz.

    Falemos da mala deste príncipe ilustre! Ela deixa na Europa uma lenda soberba. Durante meses, viu-o o Velho Mundo sulcar os mares, atravessar as capitais, medir os monumentos, costear os montes, visitar os Reis, ensinar os sábios - com sua mala na mão! Que continha ela? Tal se nos afigura a verdade - a mala não guardava nada! A mala era uma insígnia. Como a coroa é o sinal de sua realeza no Brasil, a mala era o sinal da sua democracia na Europa. A mala formava o seu cetro de viagem - como o perpétuo chapéu baixo constitui a sua coroa de caminho de ferro. Nesse trecho o escritor lusitano destila uma crítica mordaz ao Imperador Dom Pedro II em viagem pela Europa em 1872. As críticas contra Dom Pedro II podem ser interpretadas como um reflexo da política externa brasileira, principalmente em relação ao Velho Mundo e à Guerra do Paraguai, terminada em 1870.

    Assinale a alternativa que NÃO expressa um dos motivos que provocaram a Guerra do Paraguai:

    a) Expansionismo territorial paraguaio.

    b) Imposição por parte do Brasil de um controle rigoroso à navegação na bacia do rio da Prata.

    c) Apoio do Brasil aos "colorados" no Uruguai.

    d) Violações de fronteira na região Sul do País.

    e) Apreensão brasileira em relação a uma possível união dos países platinos

    ver resposta


Respostas

  • Resposta Questão 1

    Letra B

    Dom Pedro II era filho de Dom Pedro I, de Bragança, com Leopoldina, da Áustria, arquiduquesa pertencente à Casa de Habsburgo. Sendo assim, o sangue dos Habsburgos também integrava a estirpe do monarca nascido no Brasil.

    voltar a questão


  • Resposta Questão 2

    Letra E

    Desde o Primeiro Reinado, a questão da bacia do Prata era conturbada. Contra as pretensões políticas de Solano Lopez, ditador paraguaio, com relação aos territórios vizinhos, foi formada a aliança entre Uruguai, Brasil e Argentina naquela que ficou conhecida como Guerra do Paraguai.

    voltar a questão


  • Resposta Questão 3

    Letra E

    O Golpe da Maioridade, em 1840, garantiu a Pedro II a posse como imperador do Brasil. Essa posse foi efetivada com sua coroação, no ano seguinte, que deu início a um reinado, cujo término só ocorreu em 1889 com a Proclamação da República.

    voltar a questão


  • Resposta Questão 4

    Letra B

    A atuação de Pedro II como monarca oscilava entre os muitos problemas que ele devia enfrentar para garantir a unidade nacional e a sua imagem de soberano, que deveria permanecer incólume.

    voltar a questão


  • Resposta Questão 5

    Letra D

    Na época do Segundo Reinado, D. Pedro II não se valeu do investimento do Império Alemão, e o tráfico negreiro também foi abolido nessa época, apesar de a escravidão só ter sido efetivamente extinta em 1888, no penúltimo ano do Império. Portanto, o tópico III é falso.

    voltar a questão


  • Resposta Questão 6

    Letra C

    O Golpe da Maioridade, conhecido oficialmente como “Declaração de Maioridade”, foi um dispositivo legal utilizado pelos parlamentares brasileiros da época do Período Regencial para legitimar a ascensão efetiva de Dom Pedro II à condição de imperador. O rei tinha, à época, 14 anos de idade, em 1840.

    voltar a questão


  • Resposta Questão 7

    Letra B

    O Brasil não apresentava a pretensão de controlar a navegação no Rio do Prata. As motivações da Guerra do Paraguai não passaram por questões de controle efetivo do Brasil sobre o fluxo econômico na região platina, mas, sim, pelas tentativas autoritárias de expansão do Paraguai, comandado à época pelo ditador Solano Lopez.

    voltar a questão


Artigo relacionado
Leia o artigo relacionado a este exercício e esclareça suas dúvidas